O zumbido é definido como um som fantasma causado por hiperatividade das vias auditivas centrais geralmente em resposta a uma deficiência auditiva clinicamente detectável ou latente. Acomete cerca de 20% da população geral e é um dos grandes desafios dentro da otorrinolaringologia.A abordagem desses pacientes exige , além de investigação audiológica detalhada, ênfase na parte psicológica uma vez que o comprometimento do sistema límbico é parte importante na fisiopatologia do zumbido. Atualmente , as principais modalidades de tratamento são as próteses de amplificação sonora ( AAS ) para tratar a perda auditiva que gerou o zumbido ou, no caso de não haver perda auditiva, aparelhos de enriquecimento sonoro que vão inibir a hiperatividade central das vias auditivas. Quando se opta por medicamentos , destacam-se aqueles que atuam nas vias auditivas centrais como os anticonvulsivantes e antidepressivos. As drogas com ação focada no ouvido têm indicações mais restritas devendo serem prescritas apenas em casos isolados como na Doença de Meniere e na insuficiência vertebro-basilar quando estas condições cursam com zumbido.