Muito se fala sobre os efeitos da baixa umidade sobre as vias aéreas. Ressecamento dos olhos, irritação na garganta e nariz, tosse seca e aumento da incidência de infecções de vias aéreas são algumas das manifestações da baixa umidade. Para combater ou pelo menos amenizar esses efeitos, é interessante umidificar bem as vias aéreas através do aumento da ingestão de liquidos e uso de medicações tópicas nasais que incrementam a umidade local. Uma pergunta que sempre é feita no consultório é sobre o uso de umidificadores domiciliares. Esses dispositivos devem ser usados com cautela e apenas quando a umidade relativa do ar estiver abaixo de 40%. O grande risco deles é aumentar demais a umidade facilitando a proliferação de fungos e ácaros que podem provocar inflamação das vias áereas superiores. O ideal , portanto, é usar esses equipamentos por no máximo 3 a 4 horas e controlar a umidade do ar de tal foma que ela fique entre 45% e 65% (Já existem equipamentos que controlam o grau de umidade). Outro cuidado essencial é sempre utilizar água potável e trocá-la diariamente com o intuito de evitar a disseminação de germes.