Os ácaros são microorganismos responsavéis por cerca de 30% dos casos de alergia respiratória. Pertencem à mesma classe das aranhas e escorpiões e possuem "garras" que possibilitam adesão a tecidos felpudos como tapetes, colchas, carpetes e cortinas. São chamados de dermatofagoides porque se alimentam de pele humana e portanto tendem a se acumular em locais onde há bastante descamação de pele como colchões e tapetes. Nesses locais, eles vivem e eliminam fezes que ao serem jogados no ar quando as pessoas deitam na cama ou limpam os tapetes de forma inadequada são inalados e causam os sintomas respiratórios como congestão nasal, coriza, espirros e prurido nasal. A melhor forma de evitar esses sintomas é a prevenção. Trocar a roupa de cama 2 vezes por semana, inverter o lado do colchão mensalmente, lavar o travesseiro e não apenas trocar a fronha frequentemente e de preferência usar apenas cortinas persianas em casa. Tapetes devem ser evitados sempre que possivel e quando presentes, devem ser limpos com aspirador de pó. Umidificadores nesses casos são prejudiciais porque os ácaros se desenvolvem melhor em ambientes úmidos. Iluminação do ambiente com luz solar diária promove a morte da maioria dos ácaros e portanto deve ser estimulada. Caso os sintomas persistam após essas orientações, um especialista deve ser consultado e exames especificos podem determinar uma provável alergia a ácaros ou outros alérgenos. Várias formas de tratamento são disponíveis, dependendo de cada caso,